Descubra como construir uma reserva de emergência e porque ela é tão fundamental!

Descubra como construir uma reserva de emergência e porque ela é tão fundamental!

Autor: Giulia S. Tolusso | Data: 03/07/2020

Você já possui uma garantia caso algo inesperado aconteça em sua vida?

Você consegue manter seu padrão de vida e de seus familiares caso ocorram imprevistos?

Essas são perguntas que todo investidor deve fazer a si mesmo. E a resposta precisa ser sim. Para isso, você pode contar com as reservas de emergência.

O que é reserva de emergência?

A reserva de emergência é um montante emergencial que precisa estar disponível a qualquer momento na sua mão. Ela existe para assegurar que em caso de acontecimentos inesperados, seja um acidente, perda de emprego ou o falecimento de algum parente, você tenha uma margem de segurança para conseguir viver o período de dificuldade. E para que isso ocorra sem grandes mudanças, no seu padrão de vida e honrando todos os seus compromissos financeiros.

É fundamental que todos nós tenhamos uma reserva de emergência, pois recorrer ao crédito em momentos de necessidade pode acarretar em dívidas que te darão enormes dores de cabeça no longo-prazo. Por isso, a educação financeira é essencial. No Brasil, infelizmente essa não é uma prática comum, já que possuímos uma urgência imediatista de consumir no momento que desejamos, sem nos preocuparmos em guardar dinheiro. Os brasileiros acabam se afundando em financiamentos e empréstimos, comprometendo seu futuro e de seus familiares.

Independente do seu perfil de investidor, do conservador ao agressivo, todos precisam possuir uma reserva de emergência. A regra é primeiro garantir sua reserva, para depois buscar mais riscos, rentabilidade e diversificação.

Uma dica para os investidores é não deixar a reserva de emergência na poupança, pois existem diversas opções de investimentos com maior rentabilidade, que possuem segurança e liquidez. Quando o dinheiro é deixado na poupança, você acaba perdendo esse capital para a inflação.

Como fazer uma reserva de emergência?

A conta para quanto você deve deixar aplicado nessa reserva é em média o valor de seis meses das suas despesas, ou seja, o suficiente para você conseguir manter seu padrão de vida durante um semestre inteiro sem recorrer ao crédito. Lembrando que, para se organizar nesse sentido, é necessário fazer as contas de quanto você ganha por mês e do quanto você gasta, já descontando os impostos.

É importante lembrar que esse tempo de seis meses vai variar de acordo com sua profissão e seus benefícios. Por exemplo, se você recebe FGTS ou o aviso prévio.

Depois de entender qual é sua receita e seu custo mensal, planeje uma quantia fixa para aportar todo mês, aos poucos. É fundamental que você tenha disciplina e construa sua reserva de maneira consistente e contínua com um aporte mensal realista. 

Onde aplicar sua reserva de emergência?

Para escolher onde aplicar sua reserva emergencial, você precisa considerar alguns fatores, principalmente a liquidez. Ou seja, você precisa conseguir resgatar esse dinheiro de modo fácil e rápido para não se prejudicar com os imprevistos. Além disso, a reserva precisa estar em um lugar com pouca volatilidade e muita segurança, para que não haja risco de você acabar perdendo esse dinheiro no momento que necessitar dele.

Sendo assim, a escolha mais indicada para o investidor é colocar seu dinheiro na renda fixa. Veja alguns produtos indicados para a construção de emergência:

  • Tesouro Selic
  • CDB (liquidez diária)
  • LCI e LCA (liquidez diária)
  • Fundos de Renda Fixa
  • Fundos DI

Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um dos melhores produtos para aplicar seu dinheiro. É o produto mais seguro, pois é um empréstimo para o governo e o risco de um governo quebrar e não te pagar é quase zero. Sua liquidez é diária. Todos os dias você pode ver o quanto seu investimento rendeu e caso precise resgatá-lo, o prazo para o dinheiro cair na sua conta é D+1. Ademais, você pode fazer o resgate a qualquer momento pois o governo recompra o ativo.

Outro ponto positivo desse investimento é que ele rende 100% da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Isso significa um rendimento de 100% do CDI (igual ou muito próximo a isso), um valor muito melhor do que o da poupança. Como acompanha a taxa SELIC, não possui alta volatilidade. Em outras palavras, você não corre o risco de mercado. Ou seja, seu ativo não vai valer menos do que o esperado caso você deseje fazer o resgate antes do vencimento do título.

CDB com Liquidez Diária

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) com liquidez diária é outro investimento que você pode realizar. É como se ele fosse um empréstimo para os bancos, razão de ser tão seguro. A chance de um banco não te pagar é muito baixa. Outro fator que aumenta a segurança da sua aplicação é que ela é garantida pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Se você tiver até 250 mil reais aplicados no CDB, há 100% de garantia caso algo aconteça com o banco.

É possível encontrar CDB’s que paguem uma taxa igual, ou maior, a 100% do CDI. Tendo liquidez diária, você consegue rendimentos diários e pode resgatar seu ativo a qualquer momento, sem perder seus ganhos.

LCI e LCA com Liquidez Diária

A LCI (Letra de Crédito Imobiliária) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) são títulos do setor de crédito privado, além de serem investimentos de renda fixa com rendimentos similares aos do CDB. Você vai emprestar dinheiro para uma instituição financeira, assim como o CDB. A única diferença é que na LCI o investimento está lastreado no crédito do setor imobiliário e no LCA no setor do agronegócio.

O grande atrativo é que esses investimentos são isentos do imposto de renda, ou seja, o rendimento bruto é igual ao rendimento líquido. Também possuem liquidez diária, assim como os ativos comentados anteriormente. É possível realizar o resgate do seu dinheiro, em caso de necessidade.

Fundos de Renda Fixa

Os fundos são uma boa alternativa de investimento, já que eles investem pelo menos 80% do seu patrimônio em títulos de renda fixa, principalmente no Tesouro Direto. O grande atrativo dos fundos é possuir uma gestão feita por um profissional que vai alocar o patrimônio e acompanhar diariamente o movimento do mercado, a fim de aumentar a rentabilidade.

Os retornos são próximos de 100% do CDI, por conta dos ativos que compõem o fundo. Porém, é possível conseguir taxas melhores, dependendo do fundo e de sua gestão. O prazo de liquidação é D+1, então caso o investidor necessite de resgate, não será um problema. O ponto negativo é não possuir garantia do FGC.

Fundos DI

Os fundos DI são muito parecidos com os fundos de renda fixa. Sua única diferença é que são compostos por ativos indexados à taxa do CDI, o que pode ser atrativo, caso o investidor esteja procurando maiores retornos.

Esses fundos também não possuem garantia do FGC e podem possuir taxa de administração e de performance, o que é necessário levar em conta antes de aplicar seu dinheiro.

Agora que você já sabe a importância de construir uma reserva de emergência, abra uma conta na EWZ Capital e fale com um de nossos assessores: https://www.ewzcapital.com.br/abrir-conta

1 comentário em “Descubra como construir uma reserva de emergência e porque ela é tão fundamental!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
× How can I help you?